Formas de lidar com a solidão


Fora eu, outras quatro garotas trabalham para a mesma cafetina. Dessas, eu só criei amizade mesmo com a Cris e com a Nádia. Nos aproximamos tanto, principalmente porque as três deixavam transparecer um pouco daquele sentimento de solidão, que tanto aflige as profissionais do ramo. Cada uma tenta lidar com esse problema de uma forma.

A Cris fica arrumando namoro com clientes “generosos”. O atual dela é um vigarista sem vergonha, mas nem comento nada para não ser inconveniente. Já namorou mais de um ao mesmo tempo e chegou a apanhar por essa ganância toda. Só conta desses rolos para nós duas, porque tem medo que as outras comentem alguma coisa com a patroa, o que significa castigo na certa.

Já a Nádia se apoia na sua filha: uma menina adorável de seis anos de idade. Nossa, eu me derreto toda quando ela me chama de tia e me pede para brincarmos juntas. Isso mexe muito com a minha expectativa de ser mãe, então às vezes é bom fugir dessa pequena. Nádia é mãe solteira, mas consegue dedicar bastante tempo à educação da filha. Trabalha apenas à noite, quando a menina está dormindo na casa de parentes.

Bem, quanto a mim, apelo para o mundo virtual. Pela internet, ainda mantenho contato com alguns amigos de infância, mas é bem cansativo conversar com eles, uma vez que a cada mensagem tenho que inventar uma história nova. Por ser distraída, minhas mentiras geram uma série de incongruências, que geram outras mentiras e assim o ciclo se perpetua. Então fiz grandes amizades na rede com sujeitos que sabiam dessas minhas intimidades. Não vou negar que a maioria tem certo interesse sexual por mim, mas faz parte. Apenas convém esclarecer que a garota de programa se manifesta mais intensamente durante o serviço. Esta, que está escrevendo tudo isso, é apenas uma moça desocupada e um pouco solitária. Escrever no blog me ajuda a superar esse sentimento, ainda mais quando recebo comentários aqui (isso não foi uma indireta, viu?).

Alguma vez por semana, as três personagens desse texto se reúnem para uma fazer companhia às outras. Nem sempre conversamos sobre o trabalho, afinal sempre existiu uma competiçãozinha entre nós e esse assunto pode gerar comparações desnecessárias. Mas é bom esse restrito grupinho de autoajuda, porque a gente acaba descobrindo certas coisas em comum: como a unanimidade em não acreditar em nenhuma história sobre a época de prostituta da nossa cafetina.

Só que mesmo com todas essas estratégias para superar a solidão, inevitavelmente, a gente acaba apelando para uma forma mais imediata de satisfação: o consumo de entorpecentes. Mas não vou entrar em detalhes agora sobre isso para não quebrar mais ainda a intenção do texto. Melhor mesmo é parar por aqui…

(Sobre a autora, clique aqui)

Anúncios

Um comentário sobre “Formas de lidar com a solidão

  1. Fica difícil manter essas amizades online se voce não aparece (Acho que foi meio que uma indireta, hehe). Cade tu garotinha, gosto das nossas conversas, e voce ta bem sumida do msn.

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s