Uma inconsequente consciente


Depois de me embebedar por cinco dias seguidos, rejeitei qualquer tipo de bebida que não fosse água. Que alívio! Esse dia de repúdio ao álcool demonstrava que não havia me tornado uma alcoólatra (pelo menos por enquanto). O que não me falta nessa vidinha são vícios e pessoas me condenando como uma viciada. Entre as minhas dependências, impera soberanamente o prazer carnal. Pois bem, identificado o vício-mor, tanto as bebidas, os cigarros e as drogas não passam de simplórias complementações ao grande vilão dessa história, que é o sexo. Este é a minha única obsessão, intensa o bastante a ponto de se manifestar quase constantemente. Em compensação, no meu estado de ânimo normal, não me sinto atraída em beber, fumar ou cheirar.

Como uma boa compulsiva sexual (distúrbio não confirmado oficialmente), algumas vezes, nos momentos posteriores ao coito, entro num estado depressivo e vez ou outra me bate um arrependimento. Seria o caso de procurar tratamento, mudar de emprego, conter a libido… enfim, uma transformação completa. De forma alguma, isso me parece tentador, muito menos depois de me entregar à libertinagem. Então para dar um jeito nessas minhas crises existenciais, tive que recorrer às substâncias psicoativas, e o resultado foi no mínimo satisfatório. Muitas pessoas apontariam que sou muito fraca por apelar para essas drogas (ah tá… forte eu seria se buscasse o auxílio de deus…). Sou fraca sim quando tenho que conter meus instintos sexuais, até porque dei a liberdade para meu corpo desfrutar de muitos prazeres sem culpa. E justamente por ter consciência dessa minha fraqueza, conheço meus limites para não me perder em outros vícios.

(Sobre a autora, clique aqui)

Anúncios

4 comentários sobre “Uma inconsequente consciente

  1. Parei de fumar há pouco mais de 4 meses. Não existe ex-fumante, ex-alcolatra, ex-drogado… nem ex-mulher…rs… A vida inteira você vai levar esse vício, apenas não vai estar consumindo. O alcolatra pode ficar 10 anos sem botar uma gota de alcool na boca, mas se tomar um copo de chopp na boca fudeu tudo.

    Parei de fumar depois de 16 anos fumando cerca de 2 maços por dia. E só parei porquê perdi o tesão pelo cigarro. Senão tava fumando mesmo. Que se foda se a sociedade condena o cigarro. E bebida, eu bebo praticamente todo dia, mas apenas cerveja e em poucas quantidades (2 ou 3 latas normalmente). Isso me faz bem, me relaxa.

    Por quê disse tudo isso? Seu vício em sexo não é ruim. Tive uma namorada Ninfomaníaca, mas era bem saudável… Sexo é saudável desde que os dois (ou tres ou mais) estiverem fazendo o que gostam. Quando é ruim para um, é ruim para todos.

    • Oi, Cadú!
      Eu acho que o grande risco de ser viciada em sexo é quando a pessoa é direcionada para outros vícios. Não é exatamente o sexo que é prejudicial. Só que no meu caso, ele se insere num contexto não muito saudável, além de ocorrer em excesso.
      Eu também estou parando de fumar (faz mais de um mês que eu não fumo ^^) e por enquanto está sendo bem tranquilo =)
      Obrigada pela sua visita!
      Beijo, beijo! =*

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s