Amores jamais correspondidos


Já me apaixonei por muitas pessoas; a maioria do sexo feminino. Não foram os sentimentos de sinceridade, nem de ternura e muito menos de fidelidade que despertaram meu amor por essa gente toda. Ele só aflorava mesmo após alguma experiência sexual intensa, ou seja, quando me faziam prostrar como uma submissa. Ora, é meio natural que nesse meu status rebaixado, invariavelmente, em algum momento eu iria acabar idealizando minha dominadora. Até porque, ao entregar meu corpo, o meu prazer – valor mais importante da minha vida – ficava muito dependente das vontades da minha senhora.

Mas o grande problema das minhas relações com fundamentos sadomasoquistas foi o desnível entre os meus sentimentos e os daquelas a quem eu me submetia. Idolatrava-as tanto que sempre sobrepunha o seu bem-estar ao meu próprio. Então muitas vezes ficava sem me encontrar com a minha namorada, sem estudar ou sem dormir para permanecer por mais tempo satisfazendo suas vontades. Acredito que essa minha subserviência demonstrava claramente que havia em mim a essência de uma submissa. Pelo excessivo prazer que isso me proporcionava, não consegui ter o equilíbrio para conter minha obsessão pelas minhas dominadoras.

Minha dona exigia que eu fizesse várias tarefas as quais pouco me agradavam, como, por exemplo, escrever relatórios sobre o meu dia. Isso era chato, porque na época a minha rotina era meio entediante, deixando os e-mails repetitivos. Até mesmo minhas declarações de amor não escaparam a essa mal, por mais que eu tenha elaborado mais de cem formas para dizer que a amava. Em compensação, toda semana eu ia a pelo menos uma festa, onde sempre rolava alguma sacanagenzinha. Jamais economizei detalhes sobre essas aventuras nos meus relatórios, afinal elas compunham as justificativas para eu ser castigada. Consciente disso, algumas vezes acrescentei alguns elementos ficcionais e em outras ocultei certos acontecimentos. Tudo dependia da minha disposição em apanhar.

As minhas manifestações apaixonadas por e-mail sempre remetiam ao ideal de amor eterno ou a ser este o sentido da minha vida. Indubitavelmente, eram mensagens muito fanáticas (e ingênuas). O pior é que minha destinatária quase nunca comentava sobre elas. Eu me lembro que era a época em que a moda “emocore” estava em alta, e um dia eu a questionei sobre o que achava das minhas declarações sentimentais. “Eu acho que você é meio emo”, ela me ofendeu. Fiquei muito revoltada e quase (quase!) chorei! Depois disso, passei a bajulá-la um pouco menos, ainda que minha vontade fosse me atirar aos prantos em seus pés e declamar – de preferência em um programa piegas de auditório com transmissão ao vivo – o quanto eu a amava!

(Pensei em reproduzir aqui algum dos relatórios que mandei para a minha dominadora, mas infelizmente minha caixa de e-mails deletou todas as mensagens anteriores a 2008).

(Sobre a autora, clique aqui)

Também no blog:

Insistência em disciplinar pela agressão

Anúncios

7 comentários sobre “Amores jamais correspondidos

  1. Legal princesinha… Continuo sempre acompanhando.

    Consegui ler TODOS os post anteriores. Sua vida é um tanto interessante, mas ao mesmo tempo, vejo muita tristesa e mágoa em você. Mo meio da leitura fiquei te imaginando… em alguns acabei rindo, em outros deu vontade de chorar.

    Estou conhecendo melhor esse mundo da dominação através de seu blog. Não imaginava que era tão intensa a relação entre dominadora e dominada.

    Sempre acompanhando…

    Beijos.

    • Não se iluda. Não to querendo desmerecer o blog, mas ele não é um bom exemplo com relação a dominação. Na verdade, aparenteemtne nenhuma das dominadoras com que ela se envolveu sabiam oque estavam fazendo ou tinham uma boa noção doque é o BDSM.

      • Olá, meninos!
        Concordo com o Bondagista que a maioria das pessoas que me dominaram não eram muito experientes, assim como eu também não era. Independente disso, eu me entregava a elas pelo prazer e mais, na posição de submissa, eu idealizava muito minhas dominadoras. E como o Cadú observou, pelo menos para mim, essa relação era muito intensa.
        Obrigada pela visita de vocês!
        É muito legal ler os seus comentários! =)
        Beijos, beijos, beijos!

  2. acredito que o unico amor correspondido é aquele o qual nós faz bem, se vc escrevia sobre amor esperando um distrato para prazer entao eles sempre foram correspondidos sim…. depende do ponto de vista do que é ser “correspondido” nem sempre qdo falo TE AMO quero um EU TBM…

    Beijos

    • Oi, Mr. Parti!
      Sabe que eu não tinha pensado sob essa perspectiva. Nesse sentido eu fui correspondida porque prioritariamente eu declarava meu amor para conseguir prazer. Por outro lado, também gostaria muito que ela me amasse, sabe. Afinal, eu também lhe proporcionava prazer.
      Fico grata pelo seu comentário!
      Beijinhos e volte sempre! =)

  3. Eu ja me apaixoneei mt

    e nunca encontrei auguem que me amace
    uma delas foi o itamar , eu conheci ele quando vim viajar para são paulo
    ver minha irmã ele se torno um amigo mt especial ate q me apaixonei por ele
    so que eu fui mt idiota e espalhei dele para todas minhas amigas ate q. uma delas pede pra ficar com ele e começa a gostar dele tb e ele se apaixonoou poor ela e estão namorando .. ai um tempoo depois eu descobri um novo amor o brunno mais ele nãao liga pra min e disse pra eu não me iludir pq dele eu não vou ter nada . eu fiquei mt triste pois eu amo mt ele
    mesmo q tudo não dure para sempre ele é tudoo oque eu sempre quiz
    eu sinto q ele é pra min mais ele não ver isto :S
    adorei mt achar este site agora vou sempre contar dos meus amores pra vooc me sinto tãao feliiz hihi

    • Oi, Victoria!
      Eu já tive vários amores não correspondidos e quando me aceitavam, acabávamos formando um relacionamento não muito estável, então fiquei mais cuidadosa (e ao mesmo tempo fechada) para me envolver amorosamente com alguém. Ainda assim, conheci pessoas muito especiais. Eu acho que é tudo uma questão de a gente não restrito a apenas o amor de uma pessoa.
      Espero que venha me visitar outras vezes!
      Estarei sempre disponível para a gente conversar por aqui!
      Beijos e boa sorte!

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s