Presentes para uma “flor”


O cliente e eu estávamos conversando sobre nossa infância, e eu comentei que gostava muito de assistir Pokémon naquela época. Ele se lembrou desse detalhe e, semana passada, me presenteou com um Pikachu de pelúcia (muito bonitinho!). Creio que não seja de interesse do meu público-alvo saber quais desenhos animados eu gostava de assistir. Por essa perspectiva, é ainda mais curioso pensar que depois de dizer todo tipo de obscenidades, esse cliente foi se recordar justamente da minha antiga afeição pelos Pokémons. Estranho. Não estou acostumada com esse tipo de pessoa que se simpatiza com as muitas idiotices que conto.

De vez em quando, é bem legal se relacionar com clientes mais atenciosos, que se preocupam em construir um clima não somente erotizado; sair da estrutura de um programa para se sentir num encontro mais romântico e menos encenado. Com alguma dificuldade, posso me passar por namoradinha de qualquer animal. Mesmo se tratando de um relacionamento profissional, é possível me sentir temporariamente atraída pelo meu parceiro caso perceba que temos algumas afinidades em comum. Queria muito sentir empatia por todos que me consomem, porque isso me permitiria ser mais espontânea, em vez de ficar restrita aos levianos comportamentos de uma meretriz.

A generosidade é uma qualidade que não se manifesta muito no perfil dos homens que recorrem à minha companhia. Antes de qualquer coisa, subvalorizam o meu serviço e, não obstante, esperam que eu vá recompensá-los prolongando o programa ou eliminando a necessidade do uso de preservativo. Nessas situações não sou nada benevolente, ao contrário, sinto-me compelida a mandá-los enfiar todo o dinheiro em seus respectivos rabos. Não quero que me explorem ainda mais como garota de programa. Gosto mesmo quando tentam me conquistar como fazem com uma mulher comum.

Um indicativo de que o cliente não está apenas interessado no serviço da prostituta se expressa quando recebo alguns presentes. Já sou muito apaixonada por alguns bichinhos de pelúcia que tenho, por isso não gosto muito de ganhar outros – que muitas vezes são encaminhados para orfanatos, mas este não vai ser o caso do Pikachu. Joias também são presentes que não me agradam, porque são muito caras e difíceis de serem recusadas. Claro que apenas a minoria das minorias me dá esses regalos que valem mais até do que meu programa. É mais comum ganhar chocolates e bebidas, cuja vantagem é a de que as duas partes do casal podem aproveitá-los.

Bem no fundo, sinto falta de me relacionar com pessoas mais românticas. Já tentei negar essa minha necessidade várias vezes, porém, é fácil observá-la quando recebo flores. Qualquer mulher se identifica com esse presente, pelas flores simbolizarem toda a natureza feminina. Eu bem que gostaria de ser comparada mais vezes às flores (inclusive a pseudônimo “Ayana”, que uso na internet, significa “flor linda”), só que nem sempre elas florescem em ambientes inóspitos como o meu. Percebo que as flores daqui não são tão belas, porque para continuarem crescendo precisam sacrificar algumas pétalas.

(Sobre a autora, clique aqui)

Anúncios

4 comentários sobre “Presentes para uma “flor”

  1. Ando acompanhando o seu blog e sempre da pra ver que vc está num constante conflito. Que nem nesse post vc escreve que queria ser associada a uma flor e no próximo se auto-define como um lixo. Vc consegue ainda dar sentido nessas duas visões. Acho vc bem interessante!

    • Oi, Isabel! =)
      Pode parecer uma contradição ser uma flor e um lixo, mas essas imagens remetem a situações específicas, que determinam se eu quero me sentir como uma flor (para o amor), ou um lixo (para o prazer). E realmente eu vivo num conflito por tentar equilibrar esses dois sentimentos.
      Fico muito grata pela sua visita e pelo comentário! ^^
      Beijos, querida!

  2. Muito interessante para um homem ler esse post.
    Eu costumava dar flores para as garotas, inclusive as putas, mas parei quando vi que gostavam mais de tapas.
    Agora você me fez ver que uma coisa não substitui a outra.
    Tem muito tempo que não dou flores pra minha esposa. Esta semana vou fazer uma surpresa pra ela.

  3. Como cliente, gosto de garotas com as quais eu tenha muito mais que sexo fingido e mecânico. Um pouco de carinho, um bom papo e descobertas que trazem à tona afinidades; sempre temperam um relacionamento. E isso não é difícil de ser feito; basta que o homem encare com muita naturalidade e sem preconceitos e tabus, o momento a dois como se namorados fossem e sempre colocando acima de tudo, que aquela garota é um ser humano que pode ser maravilhosa como tal.

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s