Cem homens em um mês


Só hoje eu já dei para quatro homens diferentes! Se eu mantiver essa média diária, o que não é tão difícil assim, em um ano terei feito sexo com quase mil e quinhentos parceiros. Oh, my god! Como você é vagabunda! É isso que os números poderiam indicar, mas não passaria de uma análise muito superficial. Obviamente, passei da marca dos milhares de contatos sexuais porque trabalho como uma profissional do sexo. Logo… vagabunda, talvez (ou muito provavelmente); puta, com certeza! Não é uma necessidade de ser rotulada, porém, uma vez que já me dirigiram todo tipo de insulto pela minha devassidão, o jeito é assumir a qualidade de vadia com orgulho. Bom, gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer a todos os companheiros que consumiram de alguma forma o meu corpo. Sem vocês, eu jamais seria – como dizem alguns eruditos filhos da mãe – uma verdadeira piranha!

A sociedade, sempre muito generosa com o sexo feminino, me deu carta branca para transar com quantos homens eu quiser. Tolerável, afinal como sou uma puta, a maior parte das minhas relações sexuais gera dividendos a mim e a outras pessoas envolvidas nessa rentável indústria – teoricamente ilegal, na minha situação. Existe o atributo comodidade na minha decisão de me prostituir: posso acumular alguma renda, valendo-se de uma atividade que me proporciona prazer, todavia com uma importante ressalva: nem sempre é bom! Ah, jura? E com um pouco mais de verossimilhança: muitas vezes é bem ruinzinho!

Então, por que não largar a profissão e se entregar ao sexo casual? Um dos motivos é porque a meretriz aqui está imune a certas hostilidades. Explico melhor: quero escrever todo tipo de libertinagem em um blog! Sim, eu posso, porque sou uma puta! Quero sair na rua usando uma saia da largura de um cinto! Sim, eu posso, porque sou uma puta! Quero dar para cem homens em um mês! Yes, I can, ‘cause I’m a freak bitch, baby! Os conservadores dizem que preciso namorar um homem de verdade. Os machistas acham que tenho mais é que ser abusada e apanhar. Os cristãos acreditam que devo pedir perdão e me entregar a deus. Quanto a mim, só gostaria que esses grupos deixassem de impor seus valores (ultrapassados) e fossem mais tolerantes com as escolhas individuais de cada um.

(Sobre a autora, clique aqui)

Anúncios

59 comentários sobre “Cem homens em um mês

  1. Hell yeah, baby!

    Como dizia não sei quem: “campanha pela vida. Cada um cuida da sua!”

    Ou então a minha preferida: “Don´t like me? Have a seat with the rest of the bitches wainting for me to give a fuck!”

    You tell’em like it is, girl!

  2. Amei esse final: “Quanto a mim, só gostaria que esses grupos deixassem de impor seus valores (ultrapassados) e fossem mais tolerantes com as escolhas individuais de cada um.”
    Difícil né, já fiquei bem deprê com essa de ficarem me julgando por meus atos, de cuidarem tanto da minha vida. Mas hoje já superei (não 100%), pq eu me coloquei no lugar dessas pessoas que julgam tanto e querem impor que temos que agir do jeito que eles acham que é o certo. E, Fiquei com muita dó!

    • Oi, Maria!
      É muito difícil se manter indeferente a esses julgamentos, por mais recorrentes que sejam. Por outro lado, uma vez que é inevitável sermos julgados, estamos constantemente aprendendo como lidar com eles.
      Muito obrigada pela sua visita! Beijinhos, beijinhos!

  3. Qual é o grande encatamento desta “profissão”? Dinheiro, orgasmos, fantasias? como assim assumir a “qualidade” de vadia com orgulho? o sexo pode fazer parte da tua vida o tempo inteiro, mas que graça tem dar para velhos, de meia idade, feios, pegar infecção urinária toda hora, chupar paus de gosto ruim, cheio de pelos sem nenhum aparo. A grande maioria das coisas que vc relata só me desperta um sentimento de nojo e uma que outra coisa sinto tesão assim como vc. Não tem como as coisas “boas” do que vc faz serem superiores as ruins. Ainda prefiro ser exigente com que o toca meu corpo, e trabalhar num emprego que me satisfaz (sem ter que pensar em sexo 24h por dia). Ter meu contra cheque, e não ter orgulho de ser vadia (a não ser na cama com meus homens) e pra isso, não preciso receber não. Vc é muito nova para ter essa fala de prostituta velha, e se esse for o único sentido da vida pra vc, assim como para amigas minhas q são velhas vadias, então vc ainda vai ter muito sofrimento pela frente, assim como elas tem, e nada disso compensa.

      • Não faço parte de um grupo de valores ultrapassados. Se tu achar legal viver assim blz, mas primeiro, vc é homem. E meu ponto de vista sobre o corpo de uma mulher e sobre o meu, é esse. E não estou impondo, até pq meu comentário não vai fazer ela mudar de posição, no máximo dos máximos vai fazer ela refletir um pouco. Concorde ou não, cada um sabe de si. E se tu te apaixonasse por uma vadia? teu pensamento não ia mudar? Sejamos francos.

        • Pri, há uma coisa que não entendo no seu raciocínio. Você mesmo diz “Se tu achar legal viver assim blz”, mas afinal não é assim tão “blz”, certo? Pelo que sei da Ayana (e só sei o que aqui li) nada nem ninguém lhe obriga a levar a vida que ela leva, certo? Você pode, claro opinar que “nunca levaria essa vida se tivesse escolha”, é seu pleno direito. Creio que a Ayana apenas pediu que não julgasse. Só isso, não julgue. Da mesma forma que ninguém tem direito de julgar as suas escolhas. Elas são suas e não dizem respeito a mais ninguém, certo?
          Quanto ao me apaixonar por uma vadia, é perfeitamente possível e plausível. Tenho poucos preconceitos. Sério. Uma coisa interessante é que já conheci vadias que não eram prostitutas e prostitutas que não eram vadias. Aparentemente não existe correlação entre uma e outra situação. As regras do jogo estão claramente baralhadas. ;)

    • Eu sou fã do blog e da Ayana. Só tem comentário elogioso meu. Mas confesso que neste tempo todo senti falta de comentários do contra como o da Pri. Não concordo com ela, mas isto é um blog na internet. Qualquer um fala o que quer, sem regras. Este é o espírito da coisa. Convidaria os que como eu gostam a não tomarem as dores, mas falar o que pensam. Unanimidade é chato pra cacete. E incentivar a Pri e tantos mais a continuar a discussão. É sério, não estou sendo irônico. O blog só ganha com isso.
      Ayana, acho que não precisa nem dizer né? Você já sabe: é impossível agradar a todo mundo. Bjs!!

      • Oi, Marcelo!
        Quando eu comecei a escrever o blog, estava muito preocupada com as possíveis reações negativas, ainda mais por achar as ideias predominantes na internet bem reacionárias. Se escrevo um blog (sexual, ainda por cima), sei que estou sujeita a vários julgamentos. Já passei por isso minha vida toda, mas a vantagem é que aqui posso argumentar mesmo com os intolerantes. Por enquanto ainda não tive a necessidade de moderar os comentários (só passam pela minha autorização os que são sinalizados como spam) e prefiro assim, porque acho mais dinâmico e acolhedor para qualquer debate.
        Beijinhos, beijinhos e se quiser incentivar qualquer discussão, estamos aí!

        • Este post rendeu, hem? rs. Acho que é o recorde de comentários, não?
          Mas o balanço ainda tá muito favorável pra ti. Acho que vou incorporar um “reaça” preconceituso e sem noção, postar uns comentários te jogando pedras e ver se aparece mais gente pra ajudar na malhação do Judas (no caso, você!). Acho que assim a gente estimula a discussão e se diverte. :-)

          Beijo!

          • Oi, Marcelo!
            É… ele ainda continua rendendo um pouquinho. E já é sim o recordista de comentários! \o/
            Surgiram uns comentários meio reacionários nesses últimos dias. Será que é você? =P
            Logo menos, vou entrar na discussão, atrasada como de costume.
            Beijinhos e pedras para você! =)

    • Eu também não faria o que a Ayana faz, mas a vida é dela e cada um sabe o que é melhor pra si no momento. Todos nós erramos, nos arrependemos, aprendemos, refazemos… A vida é assim, não estou dizendo que ela está errada, pois como eu disse é a vida dela!
      É questão de ponto de vista, o que é ruim pra um não necessariamente é bom pro outro. Acho que se alguém leva esse tipo de vida e escolheu é porque não deve ser ruim pra ela.
      Se ela achasse que as coisas boas não compensassem as ruins, acredito que ela já teria caído fora. Não é porque as pessoas não tem a mesma opinião e valores que os nossos é que elas não enxergam o que está a frente e não sabem contrabalancear o que ocorre em suas vidas.
      Outra coisa, gostei desse David, é difícil alguém preferir enxergar uma pessoa além da moralidade imposta pela sociedade! Confesso que eu mesma ainda não sou assim!

    • Oi, Pri!
      Hmmm… vejamos…
      Eu não tenho uma resposta para a sua pergunta, mas eu gosto da minha profissão (sem aspas) simplesmente por me identificar com ela. Eu gosto muito de fazer sexo, sou bastante pervertida, me interesso pela intimidade de outras pessoas, enfim, acho que tenho um perfil interessante para trabalhar nesse ramo.
      A palavra “qualidade” pode ser interpretada tanto como uma virtude, quanto um atributo qualquer de um indivíduo. Eu prefiro deixá-la no seu sentido ambíguo, porque ambos sentidos são pertinentes.
      Em toda profissão, é preciso lidar com adversidades. Mas também devemos considerar que temos percepções muito diferentes. Para você, pode ser inconcebível fazer sexo com um homem feio e velho, agora, para mim, já não é tão desagradável.
      Quando eu escrevo meus textos, eu tenho uma leve noção de que minhas experiências podem gerar nojo nas outras pessoas. Por outro lado, eu também espero que outras se identifiquem com essas práticas, porque a prostituição me apresenta o lado mais depravado delas. É bem comum qualquer pessoa ter uma fantasia que gere alguma repulsa à moralidade. Não sou muito diferente de muitas outras pessoas. Na verdade, a diferença é que resolvi escrever minhas intimidades na internet.
      As coisas boas são mais frequentes do que as ruins. O blog não é capaz de expressar tudo que se passa na minha vida. E se muitas vezes eu escrevi posts meio dramáticos, foi porque estava me sentindo mal naquele momento e usei o blog para desabafar.
      Bom, espero que essa minha resposta a você não tenha parecido um discurso de prostituta velha. Quando eu digo que tenho orgulho de ser vadia (não prostituta), não significa que eu esteja me sentindo superior, ou então que esteja militando em favor da prostituição.
      Obrigada por comentar! Beijinhos!

    • A vagina é dela ela dá pra quem ela quiser, não sei o que esse povo tem que ficar se doendo com isso… e questionando qual a graça ela vê em dar pra esse ou aquele homem. Se ela quiser fazer uma maratona de sexo por mim.

  4. Olá! Descobri seu blog por acaso e li alguns posts. Alguns me passaram muita angustia e solidão. Esse relacionamento com seus pais realmente não é uma coisa bem resolvida pra vc. Já pensou em procurar um psiquiatra? Procure se informar sobre algum realmente bom na sua cidade. Acredite, você precisa. Urgente. No mais, boa sorte.

    • Olá, Nany!
      Bom, eu já comecei uma vez uma terapia com um psicólogo, mas na época eu não estava muito motivada a seguir o tratamento.
      Mas hoje até que me sinto bem. Estou num movimento bem espontâneo, aproveitando o que posso tirar de bom dessas experiências.
      Beijos e até mais!

  5. Nossa esses comentários negativos….q isso sem julgamentos gente..so de ler..sentimos que ela sente desejo, libido e tesão por essa vida…e dai..bom pra ela..Acho vc facinante e adoro ler teu blog..acho que poderia interagir mais com seus fãs e escrver mais inclusive…heheheh

    • Oi, Natália!
      Eu sabia que uma hora iria aparecer críticas por aqui. Fazer o que…
      O importante é que tenha gostado do blog! =)
      Bom, eu gosto bastante de trocar umas palavrinhas com os leitores do blog. Porém, o problema é que eu sou muito desorganizada e demoro muito, muito para responder.
      Sobre escrever mais, no momento, estou com problemas no meu computador, então não estou me dedicando muito ao blog.
      Beijinhos, beijinhos!

  6. Então, por que não largar a profissão e se entregar ao sexo casual? Um dos motivos é porque a meretriz aqui está imune a certas hostilidades. Explico melhor: quero escrever todo tipo de libertinagem em um blog! Sim, eu posso, porque sou uma puta! Quero sair na rua usando uma saia da largura de um cinto! Sim, eu posso, porque sou uma puta! Quero dar para cem homens em um mês! Yes, I can, ’cause I’m a freak bitch, baby! Os conservadores dizem que preciso namorar um homem de verdade. Os machistas acham que tenho mais é que ser abusada e apanhar. Os cristãos acreditam que devo pedir perdão e me entregar a deus. Quanto a mim, só gostaria que esses grupos deixassem de impor seus valores (ultrapassados) e fossem mais tolerantes com as escolhas individuais de cada um.

    Disse TUDO…

    Nossa entre ontem e hj o “Livro” ficou bem “movimentado” né Princesinha?

    Tenha um Otimo dia! =D

  7. Mulher tú é de atitude.

    Gostei do teu blog, vou passar a ler ele de agora em diante, parabéns você escreve bem, o que é algo difícil nos dias de hoje.

    Geralmente lemos pessoas querendo se passar por certinhas, no seu caso o exagero seria no máximo ao contrário, o que eu pessoalmente acho excelente.

    Você chega a ser um “tipo ideal” (como diria o sociólogo), porém, pela escrita percebe-se que tem escolaridade.

    Parabéns, e espero os próximos posts,

    PS: Que paulada na mulher dos cem homens, rsrsrs, falar que consegue mil, enquanto ela só vai chegar nos cem em um ano, kkkkkkkkkkkkk

    • Olá, Observador!
      Bom, eu acho que não conseguiria me passar por certinha durante muito tempo, ainda mais porque para mim é muito importante me identificar no meu próprio blog. Pode parecer um critério meio óbvio, mas se eu realmente tivesse o intuito de promover o meu serviço, iria tentar produzir um ficção meio romantizada. Não sou uma escritora, mas prestei atenção durante as aulas de português. Já é alguma coisa…
      Como a Maria falou, são casos bem diferentes, fica até difícil comparar. Enfim, não queria que parecesse uma competição, porque definitivamente não é. Eu não sou nada ligada a números, mas tenho prazer em quantidades. Tenho uma necessidade de me envolver com vários parceiros e nem fico mais pensando se isso é positivo ou não.
      Muito obrigada pela sua visita!
      Beijinhos e até a próxima!

  8. Oi princesinha,

    Adorei, como muitos já disseram, a sua última frase. Se há coisa que detesto é que se metam na minha vida. Estou fazendo mal a alguém? Não, só tô dando meu cu! Estou a embaraça-la? Pois bem, se afaste de mim! Meto nojo? Vire a cara! Quer-me dar conselhos? Se eu os quisesse teria criado um blog a dizer “Aceita-se sugestões”!! Há pessoas que se preocupam comigo porque simplesmente não conseguem evitar, e esses eu entendo e agradeço. Mas a maior parte é apenas para o mexerico e má língua. Eu preciso de tratamento? Eu preciso de mudança? Você é que precisa isso se para ser feliz precisa falar de mim… Se assim é, então sua vida não deve ser muito interessante, por isso mude a coisa e se junte a mim numa “festa!”.

    Estava achando estranho ainda não haver discussões por aqui sobre seus posts. Como há a quem agrade a sua maneira de ver o mundo, há a quem desagrade. Acho que isso só faz bem!! Tal como o MPborges falou, o blog só ganha com isso! E as pessoas também, têm a oportunidade de defender suas ideias e falar de assuntos que talvez não abordem no dia a dia.

    Post polémico esse, princesinha!! :)

    Beijos com muito carinho
    Soraia

    • Oi, querida!
      Seria muito legal se tudo terminasse numa grande orgia =)
      Eu até entendo que certas pessoas tenham repulsa por esse meu universo ainda não muito explicitado. Em contrapartida, eu também já fiz várias críticas a realidades diferentes a minha, como a castidade. E eu adoraria conversar com uma mulher que guarda sua virgindade até o casamento, por exemplo. Acho que todos saem ganhando depois de um debate, sem a necessidade de desqualificar as pessoas pelos seus comportamentos (como você disse, eu só estou dando o meu cu ^^)
      Muito bom ler o seu comentário!
      Beijinhos com muito carinho!

    • Oi, Natália!
      Não entendi direito o sentido de sua pergunta. Mas não escrevi o texto para criticar ou provocar o blog Cem Homens. O post faz referências sobre situações pelas quais passo na minha vida. A associação a outro blog serviu mais para sustentar um argumento que desenvolvo no texto. Se fosse uma resposta direta, eu iria contextualizar o leitor e jogar o link do outro blog.
      Beijos e até mais!

  9. Oi Ayana!
    Eu comentei esses dias no blog Cem Homens, acho que você me leu lá!
    Eu passei para te dizer que em momento algum te julguei ou qualquer coisa assim. Só senti muita angústia em muitos dos seus posts (eu li o blog todo!!!) e por isso, formei minha opinião de que talvez você, mesmo que incoscientemente, estivesse pedindo ajuda. É claro, isso não é uma verdade absoluta, e muito provavelmente seja uma bobagem minha, já que eu nem te conheço!
    Isso foi o que eu senti pelo que você escreve. É que o mundo que você apresenta aqui é tão diferente do que eu estou acostumada que acabei ficando triste em ler tudo isso.

    Te desejo toda de bom na sua caminhada!
    Beijinhos

    • Olá Amanda!
      Fico contente que tenha lido todos os posts e espero muito que tenha gostado. Bem, sei que alguns deles podem parecer um pedido de ajuda, mas quando tenho algum problema, não sou muito de apelar para internet, aliás, prefiro até guardá-lo para mim e resolver sozinha. Por outro lado, o blog (e esse tipo de comentário) tem me ajudado em outras coisas…
      Beijos, beijos e volte outras vezes!

  10. delicinha…profissa é profissa!

    Boa semana pra vc!
    Bjsss molhados
    LEO

    Eu que não me sento
    No trono de um apartamento, com a boca escancarada
    Cheia de dentes (na frente do meu Lap)
    Esperando a morte dos blogues chegar…
    E você???

    OPINE no
    seximaginarium.blogspot.com

  11. É, não querer que te julguem é complicado. Faz parte do ser em sociedade. Mas, claro, podemos e devemos lutar por isso, sempre! Mas, enquanto formos seres humanos, com seus defeitos e tudo o mais, seremos assim também. Talvez haja algo, no futuro (distante) que nos torne diferente. Mas, não sei se gostaria desse “novo ser humano”. Somos assim, incoerentes, inconsequentes, cheios de problemas e é assim que é a graça de sermos quem somos.

  12. Você é muuuuito Inteligente, acho muito interessente a sua clareza com relação ao que lhe acontece…

    Dificil ver esse noção de “espaço”

    Gostei de você e por tabela do blog.

    Já leu Historia D’o?

  13. “Quanto a mim, só gostaria que esses grupos deixassem de impor seus valores (ultrapassados) e fossem mais tolerantes com as escolhas individuais de cada um.”

    Acho justo, Eu também gostaria muito de um mundo mais tolerante. É o que falta para vivermos em paz.
    Os fanáticos religiosos querem a todo custo salvar a nossa alma, mesmo que seja pela força, mesmo que tenha que matar. É muito cômodo só aceitar o seu ponto de vista e ignorar ou até exterminar o que é diferente. É muito fácil você defender sua causa de heterossexual e discriminar quem pensa diferente disso. Quantos gays já não foram apedrejados e assassinados por intolerância? Quantas prostitutas já não foram assassinadas por intolerância? Quantas guerras por intolerância religiosa!
    Ninguém é obrigado a pensar igual, mas devemos aprender a conviver com o diferente.
    Ayana, não canso de dizer que sou sua fã!
    Bjo, continue escrevendo.

    • Mandou muito bem, Rafaella!!
      E sobre o que vc escreveu, fiz umas seleções de um texto:

      (…)
      “Quando um profeta eleva a voz, seja em nome do céu, da cidade ou de outros pretextos, afastai-nos dele: sátiro de nossa solidão, não nos perdoa o viver sem as suas verdades e seus arrebatamentos; quer fazer-nos compartilhar de sua histeria, do seu bem, impô-lo a nós e desfigurar-nos. Um ser possuído por uma crença e que não buscasse comunicá-la a outros é um fenômeno estranho ao mundo, donde a obsessão pela salvação torna a vida irrespirável. Olhem em torno de vós: Por toda parte vermes que predicam; cada instituição traz uma missão; os povoamentos têm seu absoluto como templos; a administração com os seus regulamentos: metafísica para uso de macacos… Todos se esforçam por remediar a vida de todos: aspiram a isto até os mendigos, inclusive os incuráveis; as calçadas do mundo e os hospitais estão cheios de reformadores. A ânsia de chegar a ser fonte de acontecimentos atua sobre cada um como uma desordem mental ou uma maldição livremente escolhida. A sociedade é um inferno de salvadores.”
      (…)
      ”Basta que eu escute alguém falar sinceramente de ideal, futuro, de filosofia, escutá-lo dizer “nós” com uma inflexão de segurança, convocar os “outros” e sentir-se seu intérprete, para que o considere meu inimigo.”
      (…)
      “O fanático é incorruptível: assim como mata por uma idéia, pode igualmente morrer por ela; nos dois casos, tirano ou mártir, é um monstro. Não há seres mais perigosos que os que sofreram por uma crença: os grandes perseguidores se recrutam entre os mártires aos quais não se cortou a cabeça. Longe de diminuir o apetite pelo poder, o sofrimento o exaspera: por isso o espírito se sente mais a gosto na companhia de um fanfarrão do que de um mártir; e nada lhe repugna tanto como esse espetáculo no qual se morre por uma idéia…”

      Genealogia do Fanatismo
      Cioran

  14. ?
    mas já ???
    esta a tão pouco tempo na putaria e já esta com esse lado psicológico abalado desse jeito ?
    ta desabafando é ?
    a frase final demostra isso :
    (Quanto a mim, só gostaria que esses grupos deixassem de impor seus valores (ultrapassados) e fossem mais tolerantes com as escolhas individuais de cada um. )

    • Oi, Rodrigão!
      Não faz pouco tempo que estou na putaria. Já faz mais de três anos que trabalho como garota de programa e muito mais tempo que meu psicológico está meio abalado, embora menos atualmente.
      Não estou desabafando nesse post. Recomendo que você clique na tag “Desabafos” caso queira ler algo do tipo.
      Nunca fiquei depressiva pelo motivo que você escreveu, às vezes um pouco enfastiada e só. Como o Marcelo apontou, eu gosto sim de picas e, felizmente, a oferta tem sido muito boa, tanto que pretendo continuar ainda por mais um tempo na minha profissão.
      Obrigada por comentar! Beijinhos e até mais!

  15. Puta é Puta e ponto final.
    Eu adoro as putas o problema e que em geral as putas não conseguem lidar muito bem com o fato de serem adentradas por vários homens ao longo do tempo.
    Em geral ficam DEPRE assim como você.
    Rodrigão.

    • Rodrigão, elas ficariam “DEPRE” por “serem adentradas por vários homens ao longo do tempo”? Mas esta não seria parte boa da coisa, afinal puta deve no mínimo gostar de pica e quanto mais, melhor. Não?

    • O que falta na vida destas mulheres é uma família sólida, com valores morais sérios e um ambiente temente a Deus. Isso as deixaria longe de tanta desordem e desta depressão que o Rodrigão falou.

      • “Família sólida, com valores morais sérios e um ambiente temente a Deus”. Permita-me a pergunta: qual Deus? O seu Deus todo poderoso castigador, dominador, castrador, etc, ensinado por outros homens com as mesmas características nas igrejas de hoje? Ou um Deus misericordioso, carinhoso, repleto de amor por TODA a sua criação, sem distinção de raça, credo ou cor? Você não gosta da Ayana ou do que ela é ou faz? Então perdoe-a. Simples assim.

        • David, você coloca coisas que eu não disse: “o seu Deus todo poderoso, castigador…, castrador” De onde voce tira isso?

          E muito menos disse que gosto ou desgosto da dona do blog ou do que ela faz ou deixa de fazer…. São todos “preconceitos” seus. E não sou padre para perdoar ninguém. Ela, se quiser, que procure um, que acho que ajudaria.

          • Oi, Marcos!
            A família sólida eu já não tenho. Quanto aos valores morais, em muitos casos prefiro combatê-los, porque muitas vezes são assimilados como verdades de bom comportamento sem que sejam revisados, nem mesmo questionados. Não vou seguir valores que cerceiam minha liberdade e encaminham para uma repressão sexual. Também não quero temer um deus que me condene por não seguir seus dogmas. Se alguém sai realmente prejudicado nessa história, seria eu mesma, enquanto vejo várias atrocidades cometidas por outros homens em nome de deus. Sei que para muitos, crer em deus é bastante reconfortante, mas para isso, é preciso ter fé. Eu não tenho.
            Beijos e até mais!

  16. Infelizes grupos controladores do nosso humano viver. Eu não admito-os, quem delimita o que eu quero e faço é o respeito a outras pessoas e nada mais!! Abaixo a hipocrisia, o conservadorismo e a pedofilia que impera em várias religiões. Não castrem o humano que há em cada um de nós! Parabéns Ayana, mais uma vez, pelo post.

  17. Oi princesinha, meu nome eh Lucas Natan e tô começando a ler seus textos hj, pq vi uma parte no blog ‘Casal sem vergonha’. Pq pelo que me parece, vc eh bem inteligente, cabeça formada e sinceramente, eu tive uma imagem muito bonita de vc como pessoa, do tipo que seria minha amiga. Mas enfim, queria realmente saber o motivo de vc ser prostituta (não sei se essa palavra te incomoda, se incomodar, comenta outra que vc goste mais), pois pelo que eu vejo, vc responde a maioria dos comentários, e essa eh uma questão que eu realmente queria entender. Vc não tem vontade de ter um namorado? Nunca se apaixonou por um cliente e deu vontade de ter algo além do sexo? Essa parte sentimental das relações humanas não pesam? Vc tem um emprego além desse? No mais, beijão e espero suas respostas pra poder realmente eliminar mais um bocado de preconceito…

    • Oi, Lucas!
      Como pode perceber, eu respondo boa parte dos comentários, mas demoro bastante. Espero que tenha voltado ao blog para ler sua resposta.
      Não se preocupe, eu gosto de todos os sinônimos de garota de programa ^^
      Eu me tornei prostituta porque precisava de dinheiro, já que estava morando sozinha, porque me identificava com a profissão e por prazer.
      Tenho vontade de ter um namorado em determinadas situações, por exemplo, quando não quero dormir sozinha =X
      Nunca me apaixonei por um cliente. Encontrei vários interessantes, que despertaram a minha vontade de fazer algo além do sexo, contudo, sempre fui muito resistente para formalizar um compromisso mais sério com alguém.
      Se envolver com os sentimentos das pessoas, da forma como acontece num programa, é bastante delicado mesmo, principalmente porque tem clientes que realmente se apaixonam, se preocupam e se compadecem por você.
      Não tenho nenhum outro emprego além da prostituição e acho que nem daria conta, porque, entre outras coisas, sou muito preguiçosa =/
      Mais uma vez, desculpe pela demora!
      Beijinhos e volte mais vezes!

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s