Antes de tudo, quero passar no motel!


De acordo com alguns clientes, uma das principais razões para recorrerem ao meu serviço é por ser mais econômico pagar pelo sexo com uma garota de programa, do que gastar com jantar, cinema, bebidas, presentes, ligações de celular, estacionamento, gasolina, motel e mais outras despesas extras, para levar uma “civil” para cama. E este cálculo não inclui o tempo despendido com conversas para seduzir a pretendente. Por que este homem antiquado empenha-se num projeto tão custoso para, no final das contas, transar com uma mulher? Minha intenção não é panfletar que a saga para meu abrigo quentinho e úmido é bem mais tranquila, mas sim problematizar a necessidade de tantas diligências para alcançar uma meta tão vulgar.

Só depois de me prostituir, eu me dei conta desta dedicação dos homens para fazer sexo, ao conversar com muitos clientes justificando o porquê de terem me procurado. Em geral, não faço perguntas; o assunto parte deles, talvez resultado de um sentimento de culpa. Minha primeira reflexão foi a seguinte: “caralho, sempre fui uma garota muito fácil”. Isso porque eu vim de uma criação bem independente; em outras palavras, poderia fazer o que quisesse como, por exemplo, dar para um desconhecido na primeira noite em que nos encontramos. Conforme fui ganhando experiência, passei a ver o sexo como um instrumento de poder e, para tanto, a possibilidade de lhe agregar valores. Como não conversava sobre sexo com quase nenhuma garota, e os homens que transavam comigo sempre tinham um perfil de aproveitador, não tinha muitas referências sobre o escambo de sexo por benefícios. Sempre comercializava a minha xana por uma mixaria: algumas bebidas e drogas, uma carona de volta para casa e até por mais parceiros sexuais.

Ainda hoje, penso que se um sujeito passa a ser muito generoso comigo, com certeza ele quer sexo, mas acima de tudo, anseia por um relacionamento mais sério, afinal de contas, como já foi dito, se o objetivo fosse apenas transar, o caminho mais prático e econômico seria pagar pelo meu programa. Vale lembrar que, quando a questão é sexo, os machos são bastante competitivos entre si. Nesta perspectiva, a meta não é simplesmente comer a garota mais linda e virgem do seu círculo de conhecidos, mas sim se distanciar dos pobres demais que não tiveram essa experiência, por mais que ela tenha sido magnífica ou frustrante. Então, em específico nestas situações, é compreensível que o sujeito empregue qualquer meio social, cultural e econômico para depois proferir todo orgulhoso numa roda de amigos: “aquela eu já comi”.

Na ponta oposta, não é um grande mérito me comer – embora o meu serviço não seja acessível a toda população -, se considerarmos que meu principal critério é mercadológico. Em muitos casos, é até um demérito ter fornicado comigo. Isso dá brecha para o cliente ser julgado como incapaz de ter relações sexuais sem pagar por elas. Para se ter uma ideia, na semana passada, um cliente fez questão de deixar muito claro na minha cabeça que ele havia me procurado por curiosidade, já que tinha uma vida sexual muito ativa e nunca (deu aquela ênfase no advérbio) precisou recorrer a garotas de programas. Sentindo que deveria lhe dar as boas-vindas, pensei em palavras acolhedoras: “amigo, eu seria a última pessoa a te julgar como um perdedor por solicitar o meu serviço!”.

(Sobre a autora, clique aqui)

Anúncios

10 comentários sobre “Antes de tudo, quero passar no motel!

  1. Olá Ayana, bom ler um post novo. Quero tecer alguns comentários dentro do tema abordado por você. Sobre “garota difícil” eu entendo que numa sociedade machista isso ainda tem muito peso; mas imagino que se as garotas fossem “iguais” a nós; que se desejasse um cara mergulhasse fundo ou então demonstrasse total interesse; se isso acontecesse com a maioria feminina essa babaquice(mulher difícil – fácil) acabaria. “Mulher fácil”, (não gosto do rótulo); prefiro achar que elas gostam mais de sexo que as demais e por isso acabam aproveitando muito mais a vida. Quanto a pagar por sexo, eu encaro o fato numa boa; sempre a gente encontra uma garota com quem rola uma simpatia, um carinho, uma amizade o que torna o sexo mais gostoso. E amigos trepam. Acho importante que não se fale descaradamente de grana sem necessidade, principalmente se o cara já sabe qual é o valor. Uma forma gentil é ao sair deixar a grana em algum lugar visível; para que não fique tão caracterizado que o cara está´pagando; isso é semelhante ao marido que ao levantar-se pela manhã deixa a grana pa sua esposa no criado mudo.São pequenos detalhes que podem fazer a diferença!

    • Ari, eu não quero polemizar contigo não e nem tome meu comentário como ofensa pessoal, mas sua comparação do ato de pagar uma prostituta com este troço do marido deixar o $ pra esposa de manhã é muito deturpado! Vc diz que encara o fato de pagar por sexo numa boa, mas se realmente encarasse assim, não teria “sugerido” esta forma de pagar aí em cima. Que aliás é machista: o marido provedor sai cedo pra trabalhar e deixa o dinheiro pra esposa dona de casa fazer as compras…. precisa dizer mais?
      Outra coisa: o detalhe que faz a diferença, que mostra sua consideração com a prostituta é pagar antes o combinado. Como assim deixar o $ num canto na hora de sair? Uma prostituta que aceitasse receber o $ depois ou é principiante ou tá correndo um risco tremendo de não receber… Isso não se faz. Aliás, não conheço GP que aceite isso.
      Como assim não caracterizar que o cara tá pagando? Tem que caracterizar sim a transação e isto em nada diminui o que vai rolar. Aliás, o ato de pagar libera os dois pra fazerem coisas que o sexo papai-mamãe, marido-esposa, nem de longe supre. Acho mesmo que muitos casais poderiam em casa fantasiar isso: o cara chega, joga uns trocados na cara da esposa e fala: “hoje eu tô pagando, sua puta, piranha! Vou te comer de todos os jeitos”. Provavelmente a dona Maria ficaria tão excitada que ia pedir todo dia o repeteco…. só não sei se o marido ia ter caixa pra tanto… Mas que o casamento dava uma decolada, isso dava!

  2. Olá Ayana! Sou do RS também, mais precisamente Pelotas! Vi em uns de seus posts mais antigos que tu curte infantilismo! Adoro usar fraldas! Como poderiamos entrar em contato? Adoro seus posts! beijos e até mais!

  3. Eu sou perdedor. Saio com putas porque tenho dificuldade de arrumar mulher. Talvez não seja dificuldade, mas também preguiça de ir atrás, e de acar sem sentido esses rituais. Acaba sendo mais prático as garotas de programa. Acho que a maioria dos clientes tem esses dois lados: são “perdedores” mas também se atraem pela praticidade da coisa. Só que ninguém admite que é perdedor.

  4. Eu tbm sou uma garota mto facil, entao nunca to carente por conta de sexo!! \o/
    O q falta nos homens eh uma pegada forte, aí nao precisa de paga cinema, jantar, bebida.
    Adoro vc, minha biscatinha!! ^-^

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s