Introdução ao segundo diário


(Não poderia recomeçar meu diário apenas com um breve desagravo

 

Leitor(a) de 2019, seja bem-vindo(a)!

Eu me chamo ayana e tenho 29 anos. 

Sempre que meus pensamentos encadeiam naturalmente uma apresentação, a segunda sentença é: 

“Eu sou uma puta” 

Me parece uma obviedade mesmo agora que estou afastada do meretrício. 

Durante quase metade da minha vida, me empenhei para a construção dessa percepção de mim mesma. 

Esforço que me deixa bastante orgulhosa, por sinal!

Quando o primeiro adjetivo que me caracteriza é puta, já temos um divisor de águas. 

De um lado haverá as pessoas que me desprezam, de outro aquelas que me interessam. 

Se você se encaixa no primeiro grupo, não recomendo ler esse blog. 

Se você se encaixa no primeiro grupo, pode pensar: 

“E eu lá vou seguir a recomendação de uma puta?” 

Se você se encaixa no primeiro grupo, não deveria ter interesse na vida de uma puta.

Agora, para aqueles que se interessam e não me conhecem, é aqui que compartilho minhas intimidades sexuais e afins. 

Para você que já vasculhou esse antro, voltei com novas experiências que gostaria muito de compartilhar! 

Pois é… antes de desaparecer, eu também disse que ainda havia muita coisa que gostaria de compartilhar… 

Trata-se de uma recordação inconveniente e anticlímax, mas que cumpre um papel: 

Me faz revelar que voltei a escrever por impulso, sem qualquer planejamento. 

Este é o método empregado em quase todas as decisões da minha vida.

Parece que os ventos estão soprando a favor.

15 comentários sobre “Introdução ao segundo diário

  1. Olá, tudo bem com você?

    Sexta-feira 13 é uma data cabalística. Uma boa data pra voltar a postar.

    Eu acompanhava esse blog há alguns anos, mas nunca havia comentado. Fiquei bem triste porque você havia parado de postar. Achei que simplesmente tinha desistido, mas acontece. Blogs nascem e morrem todos os dias. Alguns mais interessantes, e outros bem menos. Mas algo tão bem escrito, e com conteúdo tão interessante como este, são os mais raros.

    Fiquei feliz que você talvez tenha retomado o hábito da escrita, afinal, você escreve tão bem :-)

    Sinceramente, eu não imaginava essa sua conexão com os seus leitores. Tão pouco que estes comentários nos posts fossem tão importantes pra você. Falha minha. Vou comentar com mais frequência.

    Já quanto ao seu ofício, ou ex-ofício(infelizmente!/temporariamente?), permita-me apresentar um ponto de vista um tanto mais “construtivo”, por assim dizer:

    A palavra “puta”, que muitas vezes é usada para descrever um certo espectro de comportamento sexual(nem sempre como ofício), acabou por ganhar tom pejorativo devido a conservadorismos da sociedade aonde vivemos. Uma mulher que conhece o próprio corpo, e por consequência o próprio prazer, é avassaladoramente assustadora para quem não sabe lidar com este espectro de comportamento. E por este motivo muitas passoas atacam verbal e fisicamente as ditas “putas”.

    Quando o ataque é proveniente de outras mulheres, geralmente é motivado por algum tipo de inveja, ou como diria Freud, algum tipo de sentimento de projeção. A pessoa ataca no outro características que possui, ou gostaria de possuir, mas que estão no plano inconsciente. Algo que ela identifica inconscimentemente em si mesma, mas não o admite. Isto gera um sentimento de desconforto e inadequação que motivam os ataques.

    Já quando o ataque é provindo de homens, geralmente o motivo é o mais imaturo possível: a moça não deu mole pra ele, então ele ataca. Simples assim.

    Muito embora algumas mulheres convivam muito bem com este etigma, a ponto de até mesmo tornarem isto um ofício do qual tiram seu sustento, jamais conheci alguma que não nutrisse certa dose de sofrimento devido as consequências que um estilo de vida assim causam no ambito social, familiar e amoroso.

    Porém, na minha humilde e fecal opinião, as “putas” das nossa sociedade deveriam ser motivo de orgulho. Um patrimômio nacional. Afinal, conheço poucos homens que não tenham perdido a virgindade com uma “puta”. Ou que não tenham sua vasta experiência e habilidade sexual desta forma.

    Eu mesmo já namorei uma “puta”, e me orgulho muito disso. Nunca antes havia participado de tantas orgias e manages como naquela época. Mas isto é assunto para uma outro momento.

    Gostaria de ter a oportunidade de poder comentar mais em seus textos.

    Então escreva mais ;-)

    • Oi, Leo!
      Só quando publiquei o post anterior de madrugada é que fui perceber que era sexta feira 13. Inclusive, alterei o horário da publicação, mais para que não ficasse dois posts no mesmo dia. Quer dizer que sim, o blog voltou numa sexta feira 13 e também acho que é um bom indicativo.
      Fica muito grata pela contribuição e concordo com seu ponto de vista.
      Beijinhos!

  2. Ola Ayana. Q agradavel surpresa saber que voltou a escrever. Nao sei se devo preparar minha mente para seus relatos perturbadores e excitantes ou se voltou mais amena. O q me diz? De qq forma aguardo por seus posts no seu tempo seja la qual sua vibe atual. Bjs nos seus pes. Xau.

  3. Cara, vou te matar, eu juro! >:(

    Que saudade eu senti dos seus post’s, de falar contigo no skype (aliás, vou deixar uma mensagem lá pra te ajudar a lembrar quem é), e a preocupação então, nem se fala…
    Mas que bom que está tudo bem agora. Estou ansiosa pelo que vem depois disso, deveria fazer um intensivão de post’s para compensar o tempo haha, sem cobrança, viu? rs

    Bem vinda de voltaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa <3

  4. Oi! Que bom saber que voltou. Pensei mesmo no pior, principalmente porque você, além de não publicar, sumiu do skype… Quatro anos é muito tempo!! Mas vc deu a entender que não está mais naquela casa de prostituição… O que tem feito? Pretende contar o que ocorreu nestes anos?

  5. Fiquei mesmo muito preocupada com vc! Pensei o pior… Afinal, conversávamos sempre e, do nada, vc sumiu.
    Engraçado que dia desses acordei pensando em vc. Pensando se vc estava bem, o que andava fazendo. Se estava vagando por alguma cracolândia da vida.
    Falando em ventos soprando a favor, eu nunca me esqueço de uma frase do filme “Náufrago” (Tom Hanks). “Tenho que continuar respirando. Porque amanhã o sol vai nascer e quem sabe o que a maré vai trazer?” Eu já tive momentos bem bad, de depressão e me lembrei disso.
    Espero que bons ventos continuem soprando e que a maré possa trazer coisas boas na sua vida. Beijinhos more, se cuide

Compartilhe também sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s