Toda a atenção para minha xana!

Estava deitada na cama com as pernas abertas e o quadril levemente arqueado para cima, oferecendo ao espectador ajoelhado um enquadramento de destaque nas minhas partes íntimas. Desta vez, eu também exibia um plug de seis centímetros de diâmetro atolado no meu cu. Mantenho um relacionamento muito próximo e afetivo com meus brinquedos de gente grande, a ponto de ter o costume de andar plugada atrás. Este daí, preenchendo um vazio em minhas entranhas, é um grande companheiro. Além de me dar prazer, também deixa meu rabinho relaxado e hospitaleiro com as diferentes varas presentes no meu ofício. Há algum tempo, resolvi que o plug enfiado no ânus faria parte da minha caracterização como garota de programa. Mesmo os clientes que não me comeram atrás aprovaram meu rabinho recheado.

Carregar um brinquedo dentro de mim serve para estimular a curiosidade do cliente. É o mesmo que dar uma pecinha cilíndrica para uma criança encaixá-la num buraco circular. No jogo para acima de 18, as peças são maiores, com formas geométricas nem sempre bem definidas, e os buracos aparentemente mais estreitos. Sempre espero que meu parceiro queira descobrir como é o objeto escondido no meu bumbum. Como são poucos os potenciais clientes que leem meus posts, não vou me preocupar em conter os spoilers. Eu uso um plug de metal de uns dez centímetros, cuja parte mais grossa tem o formato de uma coxinha e na base, ou seja, a parte que fica para fora, tem um cristal cor-de-rosa. Foi adquirido especialmente para os programas. Muito lindo para mostrar aos clientes, mas um pouquinho pesado para sair andando com ele por aí.

Exibia meu botãozinho de cristal e, para minha surpresa, o sujeito não pareceu dar muita atenção. Demonstrou bastante interesse, é verdade, pela minha xana, por onde sua língua deslizou durante muito tempo. Estava delicioso, entretanto, gostaria de senti-la em outras partes do meu corpo também. Ele poderia lamber o meu cu, que naquela hora estava piscando tanto que quase expeliu o plug. Empinei o meu rabinho para aproximá-lo de sua boca e ainda dei uma reboladinha. Em vez de pedir, prefiro insinuar meus desejos na cama. Identificadas as afinidades, aí sim considero adequado para uma boa profissional fazer pedidos aos clientes. Por exemplo: quando estou de quatro levando estocadas, é comum o cliente dar tapas no meu bumbum. A partir da iniciativa do primeiro tapa, pode apostar que logo menos irei demandar pelo segundo, pelo terceiro mais forte e por mais um, caso ele não tenha notado que pode me bater várias vezes. Se percebo que a empolgação é recíproca, me arrisco a pedir para também baterem no meu rosto, nos seios e na xana.

Nem sempre o resultado de minhas provocações é positivo. O suave movimento pendular do cristal cor-de-rosa parecia não ter propriedades hipnóticas. Ele permanecia deslumbrado pela bocetinha rosinha, lisinha, quentinha e molhadinha. Não dá mesmo para resistir, né? Ok, eu entendo, mas ele já tinha aproveitado bastante, e eu simulado dois orgasmos. Para realmente gozar com sexo oral, preciso sentir e interagir mais com o corpo do meu parceiro. “Quer me chupar, tudo bem! Mas eu posso te chupar também?”. Para mim, a cláusula “felação” sempre constou no contrato sociossexual. Era difícil me imaginar passando pelo constrangimento de implorar por um boquete. Se mesmo assim o cara não aceita, fico emburrada o programa inteiro.

– Posso chupar seu pau também?

– Agora não!

Nunca estou preparada para respostas assim. Sou uma garota mimada que não aprendeu direito a lidar com reações negativas. Paro de gemer e rebolar, fecho a cara – fazendo até biquinho – e o resto do programa torna-se uma má vontade só. O cliente havia adiantado que não me foderia, então mais uma vez, voltei a pensar: “ele poderia lamber o meu cu”. Não sou de pedir práticas polêmicas para quem me contrata. Quando me dão espaço para dizer o que quero, a resposta tradicional é: sexo anal e gozada no rosto e na boca. Determinei para os programas uma zona segura para minha safadeza. Se fosse mais ousada e transparente, suplicaria para ser amarrada, chutada, pisoteada e humilhada das formas mais escabrosas conhecidas pela humanidade. Diante dessas fantasias, uma lambidinha no toba seria um perfeito tranquilizante.

Preciso conhecer as preferências do consumidor para avaliar com segurança os meus pedidos. Conforme fui me profissionalizando, ficou cada vez mais evidente a diferenciação entre sexo e programa, que é o serviço prestado por mim. Neste caso, obviamente, dou prioridades à satisfação do contratante a ponto de abrir mão do meu prazer. Não acho que compense me sacrificar tanto, porém só tenho noção de que o programa é lastimável após o cliente ter acertado meu pagamento. São os ossos do ofício. Lembro-me de quando, no começo da minha carreira, um homem perguntou se eu gostava de beijo grego. Prontamente, respondi que sim, porque na hora imaginei que ele usaria a boca. Foi então que ele ergueu os quadris, abriu as nádegas e expôs o rego peludo. Não sou de recuar em minhas palavras, então fechei os olhos e caí de boca.

Sem muita experiência, os arrependimentos eram recorrentes e inevitáveis. Hoje tudo é bem diferente. Há situações em que o grau de depravação sexual é proporcional ao meu prazer, o que me leva de volta àquele impasse: além de um sexo oral eterno, o que mais o cliente estaria disposto a fazer? Descer a língua para meus glúteos não parecia lhe apetecer, embora meu cuzinho estivesse limpinho, macio e com cheiro de morango. Pensei em lambuzar minha xana com leite condensado ou usar aquelas bombinhas de sucção para deixá-la sobressalente. Logo me convenci de que não valeria o esforço. Se saísse do quarto para pegar as coisas em casa, não iria mais querer voltar. Também era desnecessário expor minhas intimidades para um estranho, cujo rosto mal conseguiria identificar, pois ficara quase o tempo todo escondido entre minhas pernas. Quando faltavam alguns minutos para terminar o programa, simulei um último orgasmo de cortesia e afirmei que havia sido uma chupada inesquecível (porque pareceu durar uma eternidade).

(Sobre a autora, clique aqui)

Anúncios

A indecisão de gêneros

(Observação: o “x” no final de algumas palavras ou isolado numa frase pode ser substituído por “a”, “e” ou “o”)

Ele preferiu entrar sozinho no banheiro do motel. Quando saiu, estava vestidx de camisola vermelha, calcinha fio-dental, meia 7/8 e peruca preta. Admito: sua aparência era bem feminina, exceto as pernas, que ainda estavam um pouco peludas.

– Ah, então você é crossdresser?

– Sim, você não gosta?

– Sinto muito, eu não realizo este tipo de fantasia. Você me disse que só queria sexo.

– Eu sei, eu deveria ter te avisado. Me desculpe!

Ficou bem constrangidx. Eu esperava duas reações: o cliente ficaria insistindo para me convencer, ou jogaria na minha cara que estava me pagando bem e por isso deveria atender suas vontades. Às vezes sinto um forte desencanto pelas pessoas que me faz esperar pelas piores respostas. Elx ficou tentando se justificar por que não havia me contado sobre sua fantasia e logo em seguida demonstrou arrependimento. Sinceramente, não precisava de explicações e aceitei numa boa suas desculpas. Sou bem tolerante com fetichistas, porém não dá para me envolver com tanta diversidade. Minha vontade repentina era de ir embora o quanto antes.

– A gente pode ficar só conversando então?

Uma garota de programa nunca pode ser indecisa. Claro que não tenho respostas determinadas para tudo, então muitas vezes respondo sem pensar duas vezes. Vale lembrar que há situações em que a indecisão é um recurso para se fazer de difícil, para fazer charme. Agora, para o caso em questão, não conviria este tipo de artifício.

– Podemos sim! Conversaremos como duas amigas, combinado?

Minha máxima sempre foi: “menos falação e mais felação”. Sóbria, não sou uma das putas mais comunicativas. Conversinhas sempre são convenientes para quebrar o gelo ou conhecer as preferências sexuais de cada um. Contudo, uma hora inteira só ouvindo as histórias do mesmo sujeito tem grandes chances de me deixar entediada. Decidi ficar e tentar ser uma boa companhia, pois também não estava tão inspirada para fazer sexo, e elx já havia pagado pelo meu programa e para me tirar da casa.

– Então você tem vontade de se tornar uma travesti, ou mesmo uma mulher?

Elx relutou um pouco para responder, mas depois afirmou que sim e emendou uma lista de características que x atraíam para o universo feminino, com o qual já estava bem familiarizadx. Desde que se travestiu, referia-se a si mesmx sempre no gênero feminino e foi por isso que durante toda nossa conversa eu x tratei como uma garota. Era a primeira vez que eu havia parado para ouvir com atenção alguém com transtorno de identidade de gênero. Ainda faço muita confusão com as várias terminologias para enquadrar as variações de comportamento e as percepções de identidade. Minha visão sobre a condição dos transgêneros era muito superficial, porque tive contato somente com algumas travestis que se prostituíam. Automaticamente, nota-se que algo está muito errado! É um verdadeiro absurdo que em nossa sociedade só encontremos essas pessoas na prostituição ou, com menos frequência, nos salões de beleza!

– Se eu me tornar travesti, o que posso fazer além de virar puta?

Eu fiquei sem resposta. Não por me sentir ofendida por ter minha profissão desvalorizada, mas por não saber a solução mágica para superar a marginalização e o preconceito que acometem essas pessoas. Elx tinha um pouco mais da minha idade, era inteligente, esclarecidx e muito sensível. Falou sobre família, namoro, sexualidade, tratamentos hormonais e discriminação. Foi quando começou a chorar, destrinchando com profundidade os conflitos que passou e ainda teria que passar por ser diferente. O que eu poderia dizer? Como consolá-lx? Fico desesperada nessas horas e também começo a chorar! É um jeito de dizer que também sei como é se sentir diferente.

– Fica calma! Tudo vai ficar bem!

Disse que não precisava decidir agora qual gênero assumir. Não precisava passar por isso sozinhx, porque havia outras pessoas que se sentiam da mesma forma. Não precisava assimilar os preconceitos machistas e os falsos moralismos do senso comum. Não precisava se enquadrar a categorias pré-estabelecidas, nem corresponder aos comportamentos designados para cada sexo. Enfim… minha linha de raciocínio sempre termina com “agora que tudo se foda”! É um jeito de lidar com minha impotência, minhas frustrações. A única coisa que estava ao meu alcance era lhe dar prazer. Deitamos de lado na cama, e eu x abracei por trás. Ainda estava sensibilizadx após colocar para fora tantos sentimentos confusos e verdadeiros. Aos poucos foi se acalmando, conforme sentia meus dedos acariciando seu pênis e sua próstata.

(Sobre a autora, clique aqui)

Nas profundezas do reino encantado

– Você realiza fantasias?

– Algumas com muito prazer!

– Então, queria fazer xixi em você, no seu rosto, nos seus peitos.

– Hm… desculpe, acho que eu me sentiria mal. Não me daria prazer – menti mais uma vez.

Faz tempo que eu queria escrever sobre experiências “bizarras”. No começo, sabe como é, ainda não estava tão familiarizada com o blog, nem tinha ideia das possíveis reações dos internautas, por isso sentia um medo mor de expressar minhas confissões ainda mais íntimas. Depois, veio a fase “déjà vuliana”, em que colocava a mão no queixo, olhava para o nada e refletia: “Disseram que sou louca. Que engraçado, acho que já tinha ouvido isso antes… teria eu dito isso de mim mesma?”. Passados alguns confrontos existenciais, precisava superar o hábito da procrastinação e escrever. Como sou uma meretriz refinada, não vou sair contando de uma vez todas as putarias grosseiras pelas quais tenho interesse. Desta vez, o relato deste post está fresquinho, porque aconteceu nesta semana!

Como muitas outras histórias, esta também começa comigo embriagada. Deitada, ajeitando-me toda hora sobre os lençóis acetinados de um motel pomposo, estava me sentindo mais soltinha do que de costume. Já o assunto, era o mesmo de sempre: putaria. A conversa estava fluindo bem: ele revelava suas fantasias sádicas e, aos poucos, eu deixava escapar meus cortejos com a submissão. Apanhar no bumbum, ser amarrada, usar coleirinha; coisas graciosas para a mocinha meiga que tento parecer. E o que mais eu gostava? Então, não queria desvelar mais nada comprometedor. Obstinado, sua esperança era me fazer falar entornando outras doses em minha boca.

– Não, espera um pouquinho! Se eu virar mais uma dose agora, vou acabar “gorfando”!

– Vomita aí nesses peitinhos! Você ficaria linda toda vomitada!

Não espero ser compreendida, mas achei tão fofo o que ele havia acabado de dizer! Eu fiquei paralisada, em catarse, sorrindo com uma cara de idiota. Chacoalhei a cabeça, senti o quarto balançando em desarmonia e neguei qualquer possibilidade de beber ainda mais. Ele até que não insistiu muito para intensificar minha embriaguez, em compensação, repetia várias vezes como gostaria de enfiar seu pau na minha garganta até me fazer vomitar nele e em mim mesma. “Ah, não! Isso é nojento!”, foi a minha primeira fala. Quando me dei por conta, já estava falando assim: “Hm… não sei… tenho um pouco de nojinho”.

Nojinho. Isso não te dá prazer, senhorita porquinha? Muitíssimo! Contudo, é um segredo confidencial demais para chegar aos ouvidos de qualquer cliente. Até poucos dias atrás, nenhum deles sabia, mas após aquela apimentada conversa escatológica, a minha xana, sempre tão discreta e úmida, estava toda exibida e encharcada. Tive que admitir. Primeiro porque estava bêbada demais para dissimular meu tesão. Além disso, se o maluco realmente curtia umas paradas mais hardcore, já cumpria um dos principais requisitos para se juntar ao clube. A propósito, meu clube, minhas regras! Eis uma das minhas esporádicas manifestações autoritárias. A condição era eu fazer toda a bagunça sozinha, e ele ser um mero espectador até o final da minha performance, para só depois assumir uma participação ativa na hora de limpar toda a sujeira.

Apertamos as mãos; o compromisso estava fechado para o próximo programa. Bebemos mais uma dose para celebrar e por pouco eu não lhe ofereci uma prévia do nosso combinado. Ele balançou o pinto e me pediu para chupá-lo. Os homens são mesmo uns putos quando veem uma jovem indefesa alcoolizada. Deitei-me de costas na cama e empinei o bumbum. “A xana e o cuzinho estão disponíveis! Divirta-se à vontade!” e mergulhei minha cara no travesseiro. Acordei de manhã com o rosto todo babado. Talvez por ter dormido de boca aberta, ou por ter gemido muito com o travesseiro no rosto enquanto era fodida. Ficou o mistério, junto com a ressaca e os fragmentos de um compromisso que… Oh, my god!

“Combinado é combinado!”, dizia a voz da consciência sacana. Já a voz da razão estava sem palavras diante das merdas que eu havia dito para o cliente. Eu sou um caso perdido! Fiquei chateada por trinta segundos, antes de me sentir bem quentinha por causa da excitação. A partir daí, passava pela minha mente o constrangimento, a humilhação e a ansiedade para ele marcar rápido nosso encontro super secreto. O que eu comeria? Morango, com certeza! Morango, banana e maçã, foi a melhor decisão! E tomaria leite também!

Aceito me envolver nessas porcariadas, apenas se eu estiver uma fofura. Em termos mais descritivos, é quando me visto como uma garotinha. Deixei o cabelo de Maria Chiquinha, preso com lacinhos, coloquei um vestido lilás com a estampa de uma garota de mangá e sapatilhas bege. Deixei as maçãs do rosto suavemente coradas, os lábios com gloss cor-de-rosa e mesmo o perfume era mais doce do que aquele que costumo usar. Também levei o Rei Babar, meu querido elefante de pelúcia.

Fomos para o quarto de outro motel. A princesinha e o voyeur. Ele estava numa taradeza sem precedentes, difícil até de descrevê-la. Então, tive que cortar o barato! O combinado não era este, e eu estava morrendo de fome. Tirei toda minha roupa, entrei na banheira vazia e pus a caixinha de leite, um copo e um pratinho do meu lado com todas as frutas. Ele pegou um banquinho e se sentou bem perto de mim. Comecei mordendo a maçã. Olhei para o cliente e ele estava sorrindo. Que bonitinho! Também comecei a sorrir e mordi mais um pedaço. Logo eu estava fazendo palhaçadas para me esquecer da vergonha que estava sentindo. Mastigava a fruta e mostrava a língua antes de engoli-la. Argh!

Não demorou para me sentir bem à vontade. Comer e se masturbar são dois prazeres que foram feitos um para o outro. Ainda tinha a possibilidade de sensualizar com a comida. Esfregava os morangos na xana antes de comê-los, fazia um boquete bem molhadinho na banana e deixava o leite formar um bigodinho na minha boca e escorrer pelo meu corpo. Não era preciso muita sensualidade para encher o meu estômago de passarinho. Ao final das preliminares, esmaguei os últimos morangos nos meus peitos e os esfreguei sobre mim. Agora a imundície estava para começar. Sinceramente, quando estava na parte dos preparativos, em minha imaginação eu vomitaria um arco-íris. Fechei os olhos para vê-lo mais uma vez. Encostei o dedo na garganta e vomitei sobre meus seios. Se estivesse concentrada na minha atuação artística, teria feito uma expressão horrorizada. Em vez disso, fiz um sincero pedido de desculpas pela indelicadeza. Fui precipitada, pois em seguida a cena constrangedora se repetiu algumas vezes.

Asco seria o sentimento mais natural. Como a ciência explicaria eu me sentir tão excitada? Embora seja comum porcos serem usados como cobaias científicas, já adianto para os engraçadinhos que a porquinha aqui não está disponível! Isso sempre será um “mistério da humanidade”, ou melhor, um mistério mais pessoal, porque a maior parte da humanidade preferiria não conhecer as minhas fantasias pouco asseadas. Ficaria quietinha se eu não fosse, além de porquinha, uma pequena anarquista. Fiz uma verdadeira baderna na banheira! Desta vez, não daria para pôr a culpa em ninguém. Sabe o que houve? Estava meio enjoada, talvez com alguma intoxicação alimentar. Fui tentar me levantar, escorreguei na banheira, caí de bumbum, de costas, de lado, de peitinho e até de ponta cabeça. Aí eu fiquei toda sujinha… e com vergonha… e também muitíssimo excitada… e agora ainda mais envergonhada!

(Sobre a autora, clique aqui)